Voltar

Sem Lactose

Como a lactose pode interferir no funcionamento do intestino?

A intolerância a lactose costuma manifestar sintomas intestinais

Se você consome leite e derivados, ou seja, alimentos que tenham lactose na composição, e o seu organismo demonstra dificuldade em digerir ou manifesta uma reação de auto-proteção (como a reação alérgica), você pode ter, respectivamente, intolerância à lactose ou Alergia à Proteína(s) do Leite de Vaca (APLV). (aqui você lê mais sobre a diferença entre alergia e intolerância).


Caso você seja alérgico ou intolerante à lactose, deve sentir no intestino quase todos os sintomas causados pelo consumo, normalmente não intencional, de um alimento que você sabe que pode lhe causar mal estar. Isso acontece porque o intestino não absorve o açúcar e ele fica no organismo. A intensidade dos sintomas varia devido a fatores individuais, relacionados a cada organismo, e também conforme a quantidade de lactose consumida.


Entre os sintomas destacam-se:

- diarréia: causada quando a lactose atrai água e eletrólitos, o que modifica a textura das fezes;

- dor, inchaço abdominal e gases: causados pela fermentação das bactérias que povoam o intestino;

- constipação: em oposição à diarreia, é como se o intestino ficasse tentando processar o alimento que não digeriu bem. 


Há, ainda, outros sintomas que, mesmo não tendo relação com o fluxo intestinal, causam um mal estar que só termina quando a lactose é eliminada do organismo. São eles:

- azia;

- náusea;

- dor de cabeça.


Como não há um tratamento que faça o organismo produzir mais lactase, o correto é falar em controle da intolerância: assim, o organismo não reage à lactose e, consequentemente, os sintomas não se manifestam. Entre as estratégias recomendadas destacam-se o controle do consumo da lactose e a busca por informações sobre os alimentos. O iogurte, por exemplo, possui lactose mas, como é um leite fermentado, contém bactérias que produzem lactase, o que pode ajudar na digestão.


Se você tem intolerância, converse com seu médico. Ele poderá dar as melhores orientações e boas práticas que vão garantir refeições duplamente saudáveis - por garantirem nutrientes e evitarem o desconforto.