Voltar

Consumo consciente

Nutrição desperdiçada na lixeira

Antes de jogar no lixo cascas, talos e sementes, compreenda quantos nutrientes você está perdendo sem aproveitá-las.

As pessoas têm, de modo geral, o hábito de jogar tudo que não seja a polpa ou miolo da fruta, do legume ou da verdura no lixo. Mas você já reparou na quantidade de alimento que desperdiça, literalmente joga fora, quando faz isso? Por isso, reunimos aqui algumas das razões para não descartar "resíduos" de alimentos, além de formas de reaproveitá-los da melhor maneira. Sobretudo, as cascas de frutas, verduras e legumes são ricas em fibras e mantêm o funcionamento do intestino em dia, entre outras vantagens.


Mudança de hábitos simples - Jogar fora as cascas e as sementes é também colocar uma parcela muito nutritiva dos vegetais fora. Muitas são ricas em vitaminas, fibras e outras têm substâncias extremamente benéficas para a saúde. A casca do abacaxi, por exemplo, tem 38% mais vitamina C do que a polpa da fruta; a da banana possui 106% mais potássio do que a fruta; e o talo da salsinha tem 181% mais fibras do que o próprio tempero. Já as sementes de abóbora oferecem todo o zinco que é recomendado ingerir por dia em uma porção de 100g.



Cascas de alimentos super nutritivas


Manga, mamão, cenoura, abóbora e frutas vermelhas: em geral as cascas têm um composto chamado antocianinas, responsável pela pigmentação avermelhada. Esta substância é um antioxidante, que protege contra doenças cardiovasculares e o câncer.


Laranja, bergamota e limão: a casca das frutas cítricas é abundante em fibras e tem 20% mais antioxidantes do que a polpa. São uma ótima escolha como aliadas no combate ao colesterol alto.


Uva e berinjela: esses alimentos possuem flavonóides, que são compostos bioativos antioxidantes que também colaboram na diminuição do risco de câncer e doenças cardiovasculares e estão presentes nas cascas.


Maçãs: a casca da maçã vermelha é rica em vitaminas do complexo B, ácido fólico e substâncias bioativas, que mantêm as células jovens. Já a casca da maçã verde é rica em pectina, uma substância que reduz o colesterol ruim.


Abacaxi: sua casca possui fibras, vitamina C e bromelina, uma enzima que protege o estômago e ajuda na digestão das proteínas.


Banana: a casca da banana tem fibras probióticas, que aumentam as bactérias boas no intestino, e luteína, um antioxidante que protege os olhos contra a exposição ultravioleta e combate à catarata.


Kiwi: têm três vezes mais antioxidantes na casca do que a polpa. Uma dica para quem pode ser resistente ao consumo dessa casca: a do kiwi gold é mais doce.


Batata inglesa: a casca é rica em fibras, potássio, ferro, fósforo, zinco e vitamina C. Uma curiosidade comparativa: a casca da batata inglesa tem mais vitamina C do que uma laranja.


Tomate, melancia e goiaba: as cascas destes alimentos são ricas em licopeno, um antioxidante que reduz o risco de câncer, especialmente o de próstata.